sexta-feira, 21 de setembro de 2007

Talvez seu desencanto A insistência de seu desencanto Seu olho que não consigo saber de que cor A hesitação diante das palavras, uma língua que não é a sua Seu olho que não consigo saber (deitar-se na cama e ficar) O barulho lá de fora a água caindo na fonte, os carros As janelas diante das janelas e ninguém que olhe As canções que se sucedem de modo aleatório aqui dentro do quarto (cantarolar versos soltos) O volume da música que parece aumentar quando nos aquietamos (cantarolar) (deitar-se na cama) (ficar um instante) Um quarto que não é o seu Uma cidade que não é a sua Um país A proximidade de sua partida A foto que encontrei Um metro e oitenta e sete Um metro e oitenta e seis e meio Você no canto direito do quadro olhando com atenção alguma coisa que não vejo (esperar nada) (esperar, ainda assim) A ausência este bloco seu nome (falar seu nome) (repeti-lo)

2 Comments:

Anonymous Daniela Mendes said...

Incrível como o amor nunca muda da casa do lirismo :)

30/10/07 02:45  
Blogger C. said...

Incrível como sentir teu amor por teu verso-brisa, que nunca é tão teu.. .

26/1/08 16:46  

Postar um comentário

<< Home